Siga-nos  
                                                                            Cidadão SP    /governosp


Um olhar especial para o fundo do mar

Olhos atentos e concentrados durante os quinze minutos de explicação de Deborah Beckel, uma das idealizadoras da mostra 'Mundo aquático invade sua escola'. É assim que estiveram, na manhã de sexta-feira, 31, os estudantes da escola Monte das Tabocas, os primeiros a visitar a exposição composta por animais empalhados que integra a programação da Semana Municipal do Meio Ambiente de Venâncio Aires. O projeto estará, ao longo da segunda-feira, 3, aberta à comunidade e as escolas, para visitação de forma gratuita no auditório do Colégio Gaspar Silveira Martins.

Estudantes da escola Monte das Tabocas foram os primeiros a visitar a exposição no município

Foto: Ana Carolina Becker / Folha do Mate

 

Na sexta-feira, diversos estudantes tiveram a oportunidade de entender a proposta desenvolvida pela gaúcha Deborah em parceria com o marido argentino, Vicente Mario Castillo, há 18 anos. Para ela, esta é, talvez, a única forma de sensibilizar as novas gerações. 'Eles precisam conhecer para aprender a amar e entender que as atitudes têm consequências', afirma Deborah, uma das responsáveis pelo projeto.

Para o secretário de Meio Ambiente, Clóvis Schwertner, proporcionar esse ensino prático aos estudantes e à própria comunidade é uma forma de despertar uma conscientização a respeito do lixo que é produzido por todos e o quanto ele pode fazer mal a esses animais. 'Eles precisam se chocar e começar a mudar as atitudes', salienta.

Outro ponto destacado por Deborah, é a importância das crianças entenderem que o lixo não some após sair da casa de cada um, mas que ele ainda faz parte do nosso planeta terra e que muitos animais marinhos estão desaparecendo em função disso.

 

'A pessoa pode nunca ter ido à praia, mas o lixo que ela produz chega até lá.' DEBORAH BECKEL

Foto: Ana Carolina Becker / Folha do Mate

Toque

Os estudantes do 6° ano do Monte das Tabocas, Miguel Eduardo Fritsch, Eduardo Borgmann Weber e Lucas Da Veiga Becker, ambos de 11 anos, tiveram a oportunidade de encostar os dedinhos em tubarões, raia, tartarugas, pinguins, cavalos marinhos, conchas, corais e peixes de água doce e salgada que integram a exposição e revelaram a surpresa em sentir a textura da pele desses animais. 'Conseguimos ver que eles são diferentes do que é mostrado nos desenhos', afirmam. Para a professora de matemática Cleusa Diana Müller Jahn, 46 anos, que acompanhou a turma, é importante que os alunos tenham a oportunidade de conhecer, de perto, mais sobre esta área e suas consequências para o planeta.

 

Miguel, Eduardo e Lucas são estudantes do 6ª ano e aprovaram a experiência

Foto: Ana Carolina Becker / Folha do Mate

 

O PROJETO

O projeto 'Mundo aquático invade sua escola' é uma iniciativa particular do casal que está junto há 30 anos. Tudo começou quando Castillo, de 67 anos, trabalhava ainda em um aquário, na Argentina, alimentando os animais. Ele não imaginava que ganhar a cabeça de um tubarão tigre poderia mudar o rumo da sua vida. No entanto, no mesmo dia em que recebeu a doação, teve a oportunidade de conversar, casualmente, com um homem que trabalhava no Instituto de Pesca, de Santos. 'Ele falou que poderia fazer um processo de taxidermia com a cabeça do tubarão', conta. E assim, novos animais mortos foram sendo encontrados pelo argentino e remetidos ao processo de empalhamento até formarem a coleção. 'Eles ficavam em um quarto da nossa casa até que uma professora me sugeriu fazer algum projeto', acrescenta Deborah. Ela conta que aprendeu tudo com o marido ao longo do tempo e, agora, utiliza do dom de se comunicar para colaborar com o processo de educação da sociedade com explicações sobre as consequências do lixo nos mares e rios.

 

Foto: Ana Carolina Becker / Folha do Mate

 

Fonte: Folha do Mate, Maio/2019 (http://www.folhadomate.com)

Para acessar a notícia clique aqui


Aniversário do Prq. da Água Branca abre ‘Semana Nosso Ambiente’