Siga-nos  
                                                                            Cidadão SP    /governosp


Pesquisa feita pelo Instituto de Pesca mostra a realidade dessa atividade na região

O Instituto de Pesca é uma instituição vinculada à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e, entre outras atribuições, é responsável pela execução do Programa de Monitoramento da Atividade Pesqueira Marinha e Estuarina – PMAP.

Este programa é coordenado e executado pelo Laboratório de Estatística Pesqueira (Santos), em conjunto com os Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento do Litoral Norte (Ubatuba) e Sul (Cananéia). Os dados pesqueiros são obtidos por método censitário através de entrevistas voluntárias com mestres de embarcações e pescadores, e pela consulta a registros de descarga de pescado em mais que 200 locais nos 15 municípios da costa paulista. A coleta de dados pesqueiros é executada pelo Governo do Estado de São Paulo desde 1944.

Com base nos estudos estatísticos feitos pelo Instituto de Pesca publicamos o levantamento sobre a pesca no Litoral Norte entre 2013 e 2017. Vale a pena conferir para poder entender como anda a pesca em nossa região.  O material publicado está no site do Instituto de Pesca.

Capturas x Descargas

No documento, constata-se que Ubatuba é o terceiro município que mais contribuiu para a captura de pescados no Estado de São Paulo no período e o quarto em número de descargas.

Ilhabela é o quinto município captura no Estado; e, o 10º em número de descargas. São Sebastião é o sexto em captura e o 5º em descargas. Caraguá é o décimo do Estado em captura e o 11º em descargas.

Arrecadação

Ubatuba que têm 871 pessoas envolvidas na pesca, lidera a arrecadação anual com a produção de pescados na região, arrecadando anualmente cerca de R$ 11,3 milhões.

Ilhabela têm 501 pessoas na pesca e é a segunda que mais arrecada na região, em média R$ 4,7 milhões anuais.

São Sebastião, que conta com 784 pessoas na pesca, é a terceira em arrecadação com a produção de pescado, cerca de R$ 4,5 milhões anuais.

Caraguá têm 237 pessoas envolvidas na pesca a sua arrecadação média anual com o pescado é de R$ 1,7 milhões.

Municípios

Ubatuba

O município de Ubatuba possui uma linha de costa de aproximadamente 156 km. Neste município o acompanhamento da atividade pesqueira se faz através do monitoramento de 20 pontos de descarga ou de escoamento da produção extrativa.

Entre os anos de 2013 e 2017 foram registradas 21.489 descargas de pescado, oriundas de um universo de 456 diferentes Unidades Produtivas que atuaram no período. O volume médio de pescados descarregados foi de 2.475,3 t por ano, que movimentaram uma receita estimada de aproximadamente R$ 11,3 milhões por ano.

As principais categorias de pescados descarregadas no município foram: a sardinha-verdadeira, a corvina, o camarão-sete-barbas, o camarão-rosa e o carapau que foram principalmente capturadas com os aparelhos de pesca cerco, emalhe-de-fundo e o arrasto-duplo.

Considerando a produção descarregada no período, o município respondeu por 11,7%, do total de 106,1 mil t de pescado, e 5,5% do número de descargas ocorridas no Estado de São Paulo, o que faz de Ubatuba o terceiro município que mais contribuiu para a captura de pescados no Estado no período e o quarto em número de descargas.

O Censo Estrutural da Pesca, estudo realizados nos anos de 2009 e 2010, estimou o número de 349 Unidades Produtivas ativas no município e um universo de 871 pescadores envolvidos nas atividades de pesca.

Caraguatatuba

O município de Caraguatatuba possui uma linha de costa de aproximadamente 29 km. Neste município o acompanhamento da atividade pesqueira se faz através do monitoramento de 4 pontos de descarga ou de escoamento da produção extrativa.

Entre os anos de 2013 e 2017 foram registradas 9.364 descargas de pescado, oriundas de um universo de 97 diferentes Unidades Produtivas que atuaram no período. O volume médio de pescados descarregados foi de 109,6 t por ano, que movimentaram uma receita estimada de aproximadamente R$ 1,3 milhões por ano.

As principais categorias de pescados descarregadas no município foram: o camarão-sete-barbas, a corvina, a mistura, a pescada-branca e o parati que foram principalmente capturadas com os aparelhos de pesca arrasto-duplo, emalhe-de-fundo e o arrasto-simples.

Considerando a produção descarregada no período, o município respondeu por 0,5%, do total de 106,1 mil t de pescado, e 2,4% das descargas ocorridas no Estado de São Paulo, o que faz de Caraguatatuba o décimo município que mais contribuiu para a captura de pescados no Estado no período e o décimo primeiro no número de descargas.

O Censo Estrutural da Pesca, estudo realizados nos anos de 2009 e 2010, estimou o número de 126 Unidades Produtivas ativas no município e um universo de 237 pescadores envolvidos nas atividades de pesca.

Ilhabela

O município de Ilhabela possui uma linha de costa de aproximadamente 98 km. Neste município o acompanhamento da atividade pesqueira se faz através do monitoramento de 24 pontos de descarga ou de escoamento da produção extrativa.

Entre os anos de 2013 e 2017 foram registradas 9.842 descargas de pescado, oriundas de um universo de 348 diferentes Unidades Produtivas que atuaram no período. O volume médio de pescados descarregados foi de 816,7 t por ano, que movimentaram uma receita estimada de aproximadamente R$ 4,7 milhões por ano.

As principais categorias de pescados descarregadas no município foram: a sardinha-bandeira, o carapau, o galo, o polvo e a corvina que foram principalmente capturadas com os aparelhos de pesca cerco, cerco-flutuante e arrasto-duplo.

Considerando a produção descarregada no período, o município respondeu por 3,8 %, do total de 106,1 mil t de pescado, e 2,5 % das descargas ocorridas no Estado de São Paulo, o que faz de Ilhabela o quinto município que mais contribuiu para a captura de pescados no Estado no período e o décimo em número de descargas.

O Censo Estrutural da Pesca, estudo realizados nos anos de 2009 e 2010, estimou o número de 280 Unidades Produtivas ativas no município e um universo de 501 pescadores envolvidos nas atividades de pesca.

São Sebastião

O município de São Sebastião possui uma linha de costa de aproximadamente 89 km. Neste município o acompanhamento da atividade pesqueira se faz através do monitoramento de 30 pontos de descarga ou de escoamento da produção extrativa.

Entre os anos de 2013 e 2017 foram registradas 19.537 descargas de pescado, oriundas de um universo de 374 diferentes Unidades Produtivas que atuaram no período. O volume médio de pescados descarregados foi de 480,2 t por ano, que movimentaram uma receita estimada de aproximadamente R$ 4,5 milhões por ano.

As principais categorias de pescados descarregadas no município foram: o camarão-sete-barbas, o carapau, a espada, a corvina e a tainha que foram principalmente capturadas com os aparelhos de pesca arrasto-duplo, cerco-flutuante e o emalhe-de-fundo.

Considerando a produção descarregada no período, o município respondeu por 2,3%, do total de 106,1 mil t de pescado, e 5% das descargas ocorridas no Estado de São Paulo, o que faz de São Sebastião o sexto município que mais contribuiu para a captura de pescados no Estado no período e o quinto em número de descargas.

O Censo Estrutural da Pesca, estudo realizados nos anos de 2009 e 2010, estimou o número de 290 Unidades Produtivas ativas no município e um universo de 784 pescadores envolvidos nas atividades de pesca.

 

Fonte: Tamoios News, Out/2018 (https://tamoiosnews.com.br)

Para acessar a notícia clique aqui


AQUICULTURA - APTA realizará evento para debater Aquicultura da criação à mesa