Siga-nos  
                                                                            Cidadão SP    /governosp


Clima de alavancagem produtiva domina Aquishow 2018 II

Este foi o clima que impregnou a abertura da 10ª Aquishow, em Santa Fé do Sul (SP), na manhã da terça-feira (15/05), e prosseguiu até o encerramento, na sexta-feira (18/05), com as visitas técnicas que levaram mais de 300 pessoas a pisciculturas da região.

A feira foi organizada pela PeixeSP (Associação de Piscicultores em Águas Paulistas e da União) com apoio da prefeitura de Santa Fé do Sul e do Sebrae. O auditório do Complexo Turístico, Cultural e Histórico Roberto Rollemberg recebeu a tradicional composição de mesa com muitos atores políticos, mas a necessidade de dar um salto produtivo no Estado foi tema constante nos discursos.

O Estado é o terceiro maior produtor nacional da piscicultura, com 70 mil toneladas. Só a região do reservatório de Ilha Solteira tem potencial produtivo de 150 mil toneladas conforme cálculo da Agência Nacional de Águas (ANA), e as estratégias para dobrar a produção começam pela própria feira.

De um pavilhão central climatizado na edição de 2017, a Aquishow pulou para três pavilhões com mais de 60 empresas e marcas coligadas que ultrapassam 100 companhias. “O evento cresce na proporção que cresce a piscicultura nacional”, cravou em seu discurso a secretária-executiva da PeixeSP, Marilsa Fernandes.

Homenageada em todos os discursos do dia, Fernandes canalizou o sentimento de orgulho da organização pela ascensão da feira, que foi possível em parte por conta de um aporte do Sebrae. “Tentávamos algo mais substancioso há 9 anos e o Sebrae nos ajudou a viabilizar isso.”

O ex-governador Geraldo Alckmin não deixou de aproveitar o ano eleitoral para enviar uma mensagem em vídeo saudando os presentes, mas cravou que a Aquishow é o palco da expansão tecnológica do setor. “A Aquishow fornecerá a tecnologia necessária para este desenvolvimento.”

O diretor do Instituto de Pesca/Apta-SP, Luiz Ayroza, lembrou que o governo do Estado elegeu a piscicultura uma das quatro cadeias prioritárias para São Paulo e ressaltou o engajamento do órgão no desenvolvimento.

Ayroza posicionou a demarcação e operação dos parques aquícolas no Estado como uma ferramenta essencial para o desenvolvimento. “Vai possibilitar que pequenos empreendimentos possam se instalar sem arcar com os custos do licenciamento”. Ele afirmou que o primeiro a ser instalado será o Parque Aquícola do Baixo Tietê, cuja produção estimada é de 17 mil toneladas de tilápia/ano.

No evento, o IPesca teve um um balcão de atendimento onde os presentes tiveram informações sobre a atividade, licenciamento e todas as inovações tecnológicas dos 49 anos de pesquisa no segmento produtivo.

A ANA também operou um estande próprio, onde tirou dúvidas sobre o processo de uso de águas da União e capacidade de suporte dos reservatórios nacionais. Já a Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (Seap-PR) montou uma espécie de força-tarefa com os técnicos coordenados por Juliana Lopes para transmitir informações sobre o processo de regularização de empreendimentos.

Em âmbito regional, a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) informou os piscicultores paulistas sobre o licenciamento ambiental em vigor desde o ano passado. João Brunelli Jr., coordenador da Cati, deu a dimensão da importância de regularizar os projetos. “Temos o desafio de colocar São Paulo com o protagonismo da piscicultura no Brasil.”

O prefeito de Santa Fé do Sul, Ademir Maschio, indicou que no ano que vem a prefeitura poderá solicitar à UNIFunec (que tem um dos campi na cidade em terreno anexo ao Complexo da feira) uma área extra para a ampliação da Aquishow.

Tudo para abrigar não só a expansão das ferramentas institucionais de desenvolvimento setorial, mas a inovação tecnológica que as empresas pretendem apresentar e ritmo cada vez mais intenso.

 

Fonte: Seafood Brasil, Mai/2018 (http://seafoodbrasil.com.br)

Para acessar a notícia clique aqui


Clima de alavancagem produtiva domina Aquishow 2018 I