Siga-nos  
                                                                            Cidadão SP    /governosp


Atevi realizará a soltura de 2.000 alevinos de garoupa verdadeira em Ilha Bela (SP)

Associação Ambientalista TerraViva (Atevi) realizará no próximo dia (15) de maio, a  soltura de 2 mil alevinos de garoupa verdadeira no Santuário Marinho Ecológico de Ilhabela, na Praia do Portinho, para promover o repovoamento da espécie. Este tipo de peixe está em extinção e tem grande influência na saúde dos ambientes de corais da região.

A ação começou com a produção inédita no Brasil dos alevinos em cativeiro, levantamento das áreas adequadas para garantir a sobrevivência e reprodução dos peixes no mar e, agora, a soltura.

De acordo com Claudia Kerber, veterinária responsável e presidente da Atevi, ações para reequilibrar as degradações ambientais, sobretudo no mar, são muito necessárias. O repovoamento, assim como o defeso, são ferramentas importantes para prevenir o colapso e até mesmo o esgotamento da vida marinha.

A veterinária destaca ainda que as garoupas têm crescimento lento e podem chegar até 50 quilos aos 50 anos de vida. Esse é um dos fatores que contribuem para o risco de extinção. Dessa maneira, a produção de alevinos em laboratório é fundamental para garantir a sobrevivência da espécie, fornecendo formas jovens para aquicultura e repovoamento em locais onde já desapareceu ou onde suas populações estão comprometidas.

No caso da Atevi, para chegar aos alevinos saudáveis e perfeitos, foram muitos anos de tentativas e estudos e mais de 60 ensaios até conseguir fechar o protocolo. Hoje, o Laboratório montado na região sul de Ilhabela é referência para vários países e universidades, recebendo, também, estudantes locais para ações de educação ambiental.

O projeto tem apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Em 28 anos de atuação, o grupo já viabilizou mais de 1,5 mil projetos, colaborando para a descoberta de 176 novas espécies da fauna e flora brasileira.

Monitoramento
Os alevinos serão monitorados a cada 60 dias por dois anos. Os peixes foram marcados geneticamente para garantir o acompanhamento. “Vamos manter o monitoramento até a fase de maturidade sexual, período em que se inicia a nova geração de filhotes”, explica Cláudia Kerber. Os peixes estarão protegidos da pesca pela legislação e serão soltos em uma Área de Preservação Ambiental, tudo para garantir a efetividade do repovoamento.

Desde 2006 a Atevi desenvolve ações para conservação dos oceanos e desenvolvimento social das comunidades costeiras do Brasil. O laboratório mantém em sua equipe veterinária, biólogos, mergulhadores e técnicos em aquicultura. O Garoupeta também conta com a parceria do Instituto de Pesca de São Paulo, Laboratório de Genética de Peixes da Universidade de Mogi das Cruzes, Redemar Alevinos, APA Marinha do Litoral Norte Paulista e Prefeitura Municipal de Ilhabela (SP).

 

Fonte: Pesca Amadora, Abril/2019 (https://www.pescamadora.com.br)

Para acessar a notícia clique aqui


Projeto solta 2 mil alevinos de garoupa em Santuário Ecológico Marinho de Ilhabela